terça-feira, 22 de setembro de 2015

Quijingue é destaque positivo diante do impacto da crise econômica nos municípios baianos

Diante da crise econômica, Quijingue deixou de receber pouco mais de R$ 9.000.000,00 (nove milhões de reais) por conta da redução de repasses de recursos e diminuição da arrecadação pelo Governo Federal, entre os dois primeiros anos da atual gestão municipal, 2013 e 2014, de acordo com a Confederação Nacional dos Municípios.

O estrondoso volume de precatórios (dívidas trabalhistas) herdados das gestões municipais passadas, que atingiu o montante de aproximadamente R$ 10.000.000,00 (dez milhões de reais), segundo o Setor Jurídico da Administração Municipal, impactou o gerenciamento dos recursos próprios do município.

Entretanto, apesar de todas essas dificuldades, o Prefeito de Quijingue, Almiro Costa Abreu Filho (PT), tem mantido os salários do funcionalismo em dia. Um destaque positivo no Estado da Bahia, já que, segundo a União dos Municípios da Bahia, 180 municípios baianos estão com os salários atrasados dos funcionários há meses, além de paralisação de obras e engessamento de receitas e despesas correntes.

Para lidar com a atual situação que passa o país, principalmente devido à redução dos repasses federais, a Prefeitura de Quijingue terá de fazer economia reduzindo os gastos e as despesas para manter as demandas necessárias ao funcionamento da máquina pública e continuar garantindo os pagamentos dos servidores em dia.

Ainda sim, Quijingue está em uma posição melhor do que grande parte dos municípios do Estado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário